O Estudo acontece aos sábados a partir das 19h.

O Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita (EADE) é um curso que tem como proposta enfatizar o tríplice aspecto da Doutrina Espírita, estudado de forma mais ampla nos cursos de formação básica, usuais na Casa Espírita.

O estudo teórico da Doutrina Espírita desenvolvido no EADE está fundamentado nas obras da Codificação e nas complementares a estas, cujas ideias guardam fidelidade com as diretrizes morais e doutrinárias definidas, respectivamente por Jesus e por Allan Kardec. Sempre que necessário, compara os ensinamentos espíritas com outras correntes de pensamento, filosóficas, científicas e religiosas, existentes no mundo. Dessa forma, o EADE prioriza o conhecimento espírita, obviamente, mas destaca a relevância da formação moral do ser humano.

Uma só existência reencarnatória se revela insuficiente para apreender as sublimes lições que Jesus nos legou. Outras tantas são necessárias para coloca-las em prática.

1. Objetivos do curso

– Propiciar o conhecimento aprofundado da Doutrina Espírita no seu tríplice aspecto: religioso, filosófico e científico;

– Favorecer o desenvolvimento da consciência espírita, necessário ao aprimoramento moral do ser humano.

2. Metodologia

O Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita é uma reunião privativa que prioriza a participação efetiva dos inscritos. A inscrição e a participação no Curso têm como pré-requisito a conclusão do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita/ESDE ou equivalente.

O conteúdo do EADE prioriza o conhecimento espírita e destaca a relevância da formação moral do ser humano. Contudo, sempre que necessário, tais as orientações são comparadas a conhecimentos universais, filosóficos, científicos e tecnológicos, presentes na cultura e na civilização da Humanidade, com o intuito de demonstrar a relevância e a atualidade da Doutrina Espírita.

(Fonte: Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita. Federação Espírita Brasileira – FEB).

3. Coordenação

Neiva e Flávia.

“Em qualquer setor de trabalho a ausência de estudo significa estagnação. Esse ou aquele cooperador que desistam de aprender, incorporando novos conhecimentos, condenam-se fatalmente às atividades de subnível”.

(Nos domínios da mediunidade – cap. 17 – André Luiz – Francisco Cândido Xavier).